Direto da passarela: como usar cores neutras

As semanas de moda estão a todo vapor no exterior. Já tivemos os desfiles em Nova York e Londres, a temporada primavera-verão 2019 na capital inglesa foi a mais recente e nesta semana começaram as apresentações dos estilistas em Milão. O mês termina com a semana de moda de Paris.

Tem muita coisa interessante que podemos observar nestas semanas. Além dos trabalho artístico de muitos profissionais, podemos ver na passarela algumas interpretações de como as pessoas estão se expressando nas ruas, pois as marcas estão se aproximando dos clientes e tentando captar o Zeigeist (termo alemão cuja tradução significa espírito da época, espírito do tempo ou sinal dos tempos).

Das marcas que já desfilaram, a que mais me chamou a atenção e que acho que pode ser útil a você, meu cliente que está sempre ligado no Zeigeist e quer praticidade, foi a Burberry. Marca inglesa fundada em 1856, foi lá que inventaram uma das peças mais icônicas da indumentária humana, o trench coat. Para este desfile, anunciaram a chegada de um novo estilista, Riccardo Tisci, designer italiano, que esteve à frente da Givenchy por 12 anos. Sua chegada à casa de moda inglesa foi cercada de burburinho. O mais importante, foi o anúncio de que a Burberry não vai mais queimar os estoques não vendidos (US$ 38 milhões em produtos foram incinerados em 2018 para evitar contrabando e falsificação, segundo a empresa).

Considerada uma surpresa, a vinda de Tisci foi uma realização do novo CEO da Burberry, Marco Gobbetti. Os dois já haviam trabalhado juntos na Givenchy. A decisão foi bem recebida no mercado: as ações da Burberry subiram 4% logo após a divulgação da notícia.

Bom, vamos falar agora do desfile de estreia de Tisci (que apresentou 138 looks masculinos e femininos). O experiente estilista soube fazer um trabalho autoral que não tirou o DNA da marca: clássico. Deu seu toque de contemporaneidade, mas soube preservar a elegância e a tradição que a Burberry carrega. Trouxe as cores de seu icônico xadrez – bege, vermelho, branco e preto – valorizadas e combinadas entre si de forma maestral. Também combinou estampas clássicas como animal print e poá. É aqui que pretendo mostrar para você como podemos tirar lições das passarelas.

Um look monocromático valoriza a cor escolhida para tanto. Se for um neutro como os escolhidos para a coleção da Burberry, a leitura que se tem é de elegância. Isso porque, há pouco ruído visual num look monocromático, há suavidade para o olhar transitar. Da mesma forma, neutros combinados entre si também são elegantes. São cores consideradas básicas, “boas”, que quem te olha provavelmente gosta e se sente confortável. Porém, quando combinadas entre si trazem mais sofisticação, criatividade.

Quanto mais doses de cores escuras, mais imponência e autoridade. Quanto mais doses de cores vibrantes, no caso aqui o vermelho, mais sensualidade, dinamismo, assertividade. Os neutros nos dão muitas formas de estar interessante visualmente e comunicando mensagens distintas. Por isso, quem gosta de ter um guarda-roupa básico não precisa ter monotonia.

E você o que achou desta proposta da Burberry?

Não deixe de interagir comigo. Gosto de trazer temas que interessem aos meus clientes e amigos. Me responda aqui ou em minhas redes sociais Instagram e Facebook (onde sempre trago novidades quentes).

Fotos: divulgação

Como usar meias divertidas!

Vamos começar esse post já fazendo um pequeno disclaimer (explicação). Quando o tempo esfria, qualquer ser humano usa meias se sente frio nos pés ou pernas. Ponto. É só colocar a da sua preferência com a roupa que quiser e sair para a vida. É simples assim, mas também não é. Tanto que eu recebi um pedido (ai que influencer) para fazer esse post. E, desde que comecei a trabalhar como consultora de estilo, já percebi: o que me parece trivial pode não ser para a cliente. O simples para mim não é para você. E você pode querer incrementar algo e eu querer incrementar outra coisa e sua amiga ainda outra.

Então vamos lá: as meias estão ficando mais aparecidas. Isso é coisa de moda? É! Mas, você pode adotar para o seu estilo. As meias sempre estiveram aí e vão continuar. Regras? Não existem regras. Mesmo! Estamos vendo nas ruas, nos desfiles e nos catálogos das marcas muitas maneiras de usar. Mas, eu vou falar de algumas orientações técnicas para que você possa decidir a SUA forma de usar.

Cores iguais ou parecidas alongam e causam menos choque visual. Então, se você quiser dar um toque diferente, porém, menos ousado ou alongar suas pernocas vá de meias, sapatos e partes de baixo nos mesmos tons. Aí, pode usar duas meias juntas, meia soquete por cima de meia-calça. O céu é o limite.

O truque de repetir a cor da parte de cima na meia também ajuda a alongar a figura inteira pois, o interlocutor vai levar o olhar de cima para baixo, fixando uma imagem vertical. Sacou?

Já que você vai investir em uma meinha para esquentar, acho que mostrar que ela foi colocada ali de propósito é uma boa saída para ela realmente pertencer ao look. Por isso, usar uma calça de barra mais curta ou dobrar a barra é uma boa! Sapatos com recortes e gáspea baixa também cumprem esse papel.

As marcas estão ofertando nesse outono-inverno meias soquetes finas com desenhos e texturas. Usá-las com sapatos mais delicados fica estiloso para ambientes mais formais. Que tal usar no look de trabalho?

Para festas e baladas, brilho com brilho não é exagero. Sapatos metalizados com meias de lurex ou veludo molhado ficam bem fashionista e mulherão! Um arraso. E mais uma vez: tom sobre tom ajuda a não encurtar a silhueta. Mas, se quiser brincar com as cores, sandálias de tiras finas ajudam a não ter uma superinterferência sobre a perna.

Meias finas ficam mais harmônicas com sapatos delicados: sapatilhas, sandálias, escarpins, oxfords e botas de salto ou sola fina, de material brilhoso como verniz ou cetim. Meias de algodão ou lã ornam com calçados mais casuais como tênis, oxfords e botas mais pesados, de sola tratorada, de couro opaco. Porém, eu falei lá em cima que não existem regras. Se você quer evidenciar sua personalidade criativa pode inverter tudo isso. As regras valem para quem gosta de um visual mais adequado, mais harmônico visualmente.

Os homens também podem usar meias coloridas. Inclusive tem um estudo de Harvard que diz que colocar um toque de ousadia na roupa de trabalho eleva o status perante os colegas.

Quer ver mais sugestões de looks com meias? Checa meu painel no Pinterest e aproveita para me seguir por lá!

O conforto pessoal direcionando a moda

Athleisure: atlético, versátil, casual e sem gênero, o estilo saiu das ruas paras as passarelas e mostra que conforto e praticidade são prioridades para o consumidor atual

As tendências surgem de uma convergência de fatores, nem sempre muito fáceis de explicar, mas que são possíveis de detectar. Você já deve ter reparado que, cada vez mais, as pessoas têm se vestido de forma mais confortável, usado roupas que parecem saídas da academia ou da aula de yoga, em ambientes um pouco mais arrumadinhos. As pessoas já não parecem mais que saíram da academia e deram um pulinho no supermercado. Você pode ver moças no shopping, almoçando no sábado e até em eventos noturnos usando calças de moletom e abrigos esportivos. Os logos de empresas do ramo até voltaram na moda, em um revival dos anos 90 – eu disse que é um conjunto de fatores que forma uma tendência. Essa moda tem o nome de Athleisure – conjunção das palavras athletic e pleasure.

foto dupla

Street Style

Pois bem, o conforto está no centro na moda. E isso veio não de cima para baixo, com as grandes grifes apresentando o que devemos desejar, mas, sim, de forma linear, ou circular, ou ainda difusa. Ou seja, veio da sociedade, das ruas, de outras áreas que não apenas da moda.

A valorização do bem-estar, de uma vida saudável, mais conectada com o que somos, o que queremos, nos faz desejar usar coisas que destaquem mais quem somos. Ou seja, tecidos leves, cores neutras, que nos permitam nos mover, que sejam um veículo e não se destaquem mais do que a gente mesmo. O home office também é cada vez mais comum, então quem trabalha em casa quer estar numa boa, mas eventualmente, precisa sair. Essa é uma linha do conforto.

kourtney kardashian
Kourtney Kardashian exibe a boa forma

Outra linha que emerge é a do culto ao corpo, da figura perfeita, do fitness, da superação de limites. A ela se une a tecnologia têxtil que vem avançando, trazendo novidades. Tecidos que ajudam na prática esportiva, mas que também são uma evolução para o uso cotidiano. Se adequam à temperatura ambiente, tem efeito antibacteriano e evitam odores. Os calçados trazem aperfeiçoamentos que evitam lesões e podem ser uteis para quem caminha muito, mesmo sem praticar esportes de alta intensidade, em viagens ou usando transporte urbano, por exemplo.

Sendo assim, porque não levar todos esses usos e essas mensagens para diversas ocasiões da vida? E foi isso o que aconteceu, naturalmente as pessoas passaram a levar o tênis da corrida, a calça do pilates, o colantt do balé para passear em outros cenários. A falta de tempo exige praticidade e trocar de roupa em alguns momentos pode ser complicado. Além disso, pode ser algo interessante e até um fator de status mostrar a atividade física que você pratica. E foi aí que um terceiro fator se impôs: o estilo pessoal hoje conta muito para o planejamento da indústria de moda.

colagem face

Street Style

Marcas fornecedoras de material esportivo optaram por atacar a categoria fabricando produtos mais versáteis e atraentes para os consumidores. Foi assim que fizeram as gigantes Under Armour; Puma (com coleção de Rihanna); Nike, com coleções sofisticadas, como a feita com Riccardo Tisci, o ex-diretor criativo da Givenchy, e com e inúmeras novas parcerias criativas, como a da emblemática empresa carioca Farm com a Adidas. Recentemente estive em Miami Beach e a Adidas, além da concept store, abriu duas lojas específicas, uma para a Y3 – Yohji Yamamoto e outras para a linha da Stella McCartney.

Alexander Wang para Adidas
Alexander Wang para Adidas

Ao mesmo tempo, os grandes estilistas também começaram a beber nessa fonte. A Louis Vuitton fez uma coleção suntuosa para o inverno 2016/2017. Alexander Wang também faz peças com forte apelo esportivo há algum tempo. Foi um dos primeiros a captar essa nova onda. No começo de 2017, lançou uma coleção de sucesso com a Adidas. Também vimos a Valentino fazendo peças inspiradas no balé e criando sapatilhas que viraram febre de consumo e alvo de cópias. Nas passarelas, o estilo foi apresentado há cerca de um ano, mas a tendência começa a se disseminar agora, chegando ao design de coleções de muitas outras marcas, ao mesmo tempo em que vemos marcas esportivas se sofisticarem para ganhar as ruas.

foto dupla 2
T by Alexander Wang e linha fitness da brasileira Animale

sapatilha valentino
Sapatilhas Valentino

Confira também meu painel no Pinterest com inspirações e dicas de looks confortáveis que vão da academia para qualquer lugar!

Eu não ando na moda e sou tendência?

Sim! Mas, se você andar na moda, também pode ser tendência. E pode, inclusive, ser muito chique e estiloso, sem estar em tendência nenhuma.

Deu um nó?

Bom, ter estilo independe do que os estilistas, a indústria têxtil e as lojas apontam como legal vestir. Mas, ironias da vida, hoje, usar o que todo mundo usa, o que ninguém impôs, o que é popular, virou moda. E  os estilistas, a indústria têxtil e as lojas olharam para as pessoas nas ruas para fazer o que está nas vitrines agora. É a tal da tendência Normcore. O normal no centro. É um movimento muito mais amplo, de cunho social, que engloba a moda.

Esse termo surgiu de um estudo de agências que ficam de olho no comportamento das pessoas para identificar novidades relevantes, que em breve todos vamos adotar. Eu fiz um curso de cool hunting que ensina a pesquisar e abordar temas dessa forma. E hoje trabalho com consultoria de estilo pessoal, que é algo parecido, mas aplicado a um universo micro, o da pessoa, do cliente. Gosto de pensar que essas duas visões tem um conjunto de intersecção, compartilham um resultado (alô, aula de matemática, falei certo?).

Explico isso e também um pouco mais para o Max Fivelinha – que é um querido e já não usa nada no cabelo e anda bem Normcore (BRINKS). Dá o play e prestigia minha primeira entrevista do outro lado do balcão:

Se essa história de  ter um estilo próprio, de como fazer para expressar sua personalidade na aparência, como usar roupas de forma esperta e consciente te interessa, me manda um email 😉 contato@ninguemperguntou.com ou camilar80@gmail.com

Djobi Djoba na moda

Eu já estava com essa ideia de post e fui fazendo um painel no Pinterest com referências (desculpa, tenho a alma indie e a mania de dizer que gostei before It was cool). Agora chegou o momento oportuno para falar sobre.

A Espanha virou tendência. Não exatamente o país, mas seus trajes típicos, que estão inspirando o visual das fashionistas por aí. Isso não veio do nada, claro. Em setembro de 2014, a casa italiana Dolce & Gabbana desfilou uma coleção explicitamente dedicada à terra da paella. Como já haviam feito há algumas temporadas um desfile inspirado na Itália, que virou febre no mundo fashion, não seria surpresa a repetição do sucesso. Porém, não é só esse o motivo. A coleção tá lindíssima. E algumas pitadas de Espanha já estavam aparecendo antes disso. Em 2013, Ralph Lauren fez uma coleção belíssima com essa referência. O atual revival dos anos 70 na moda, década cigana, hippie, um estilo cheio de babados, xales, acessórios rebuscados e flores no cabelo, não só tem elementos que derivam como casam superbem com a indumentária sevilhana. O cenário está montado, portanto, para que a tendência ganhe as ruas.

Ralph Lauren – primavera 2013
ralph lauren spring 2013

Dolce & Gabbana – primavera 2014 – um pouco antes da coleção totalmente baseada nos trajes típicos espanhóis

saia de bolinha spring 2014

Dolce & Gabbana – primavera 2015 – esse look sim é da coleção-desejo que está inspirando todo mundo
dolce passarela springe 2015

Aí, veio o Baile da Vogue, o clipe da Madonna, lançado na sexta, e o Grammy, ontem. Espanholas e toureiras para todo lado. No Balie da Vogue, dois looks tirados diretamente da passarela e algumas tentativas um pouco frustradas. Já a titia Madge arrasou encarnando a toureira em Living for Love, vestida de Moschino.  Ela sempre curtiu um sangre latino, né, lembra do clipe de Take a Bown ou da chavecada no Antonio Banderas? Hahaha. No Grammy, dois dias depois, ela repetiu a dose com um look parecido, mas dessa vez Givenchy. A capa da revista Estilo de fevereiro traz a blogueira mais influente do Brasil, Camila Coelho, com um vestido (lindo!) da primavera Dolce & Gabbana. Com todas essas maisons e influenciadoras abraçando a moda lançada pela dupla de estilistas italianos, alguém ainda duvida que a disseminação vai ser rápida?

A modelo Caroline Trentini de Dolce & Gabbana, no Baile da Vogue
carol trentini

A blogueira Camila Coutinho, no mesmo evento, com a mesma grife
camila coutinho

Carolina Dieckmann, no bailão também. Princesa Lea e animal print? Oi?
carol dieckman

Madonna, de Givenchy, no Grammy 2015
madonna grammy

O arquétipo mais evidente é aquele baseado na figura da sevilhana, forma como os espanhóis chamam a dançarina de flamenco. A dança flamenca se originou dos ciganos que viviam na região sul do país, a Andaluzia. Foi lá, na cidade de Sevilha, que esse ritmo ganhou força em feiras e festivais. As bailaoras usam vestidos com muitos babados, justos no corpo, com a saia rodada, assessórios como xales, adornos como pente e flores no cabelo, sapatos de salto e castanholas que marcam a batida da música conforme elas dançam.

Coleção primavera Dolce & Gabanna, cheia de referências flamencas/sevilhanas:

Saia rodada da bailaora
sevilhana-dolce-and-gabbana-spring-2015

Vestido com mix de duas estampas típicas da sevilhana, flores e poá
traje_dolce-and-gabbana-ss-2015

Sapatos inspirados nos usados para dançar flamenco
sapatos-dolce-and-gabbana-ss-2015

Bolsa no formato de castanhola
bolsa-castanhola-dolce-and-gabbana-ss-2015

Basta levar alguns itens de maneira mais suave e menos evidente para a vida real, que fica fácil de usar. E lindo. Além do visual ultrafeminino, é possível fazer a linha mais sóbria e masculina, com referências menos óbvias. Olha que lindo esse paletó inspirado nas jaquetas dos toureiros. Os domadores de feras (ui) são uma ótima inspiração de silhueta, com a cintura alta e os boleros. Dá para montar um look elegante e ainda modelar o corpo, basta saber lidar com as proporções: cintura alta alonga a perna, boleros colocam o peso visual na parte superior do corpo e jaquetas ajustadas delineam o tronco.

Jaqueta, paletó, calça e shorts
casaqueto_-toureiro-preto-dolce-and-gabbana-spring-2015-runway-15

paletó-dolce_gabbana_2015

 

Usar com jeans é uma boa maneira de equilibrar a forte mensagem feminina e sexy inerente ao visual sevilhana a ainda assim ficar interessante e bela. Flores e presilhas no cabelo com qualquer outro tipo de roupa podem dar um toque simples e impactante! O leque é outro jeito fofo e muito útil de incorporar a tendência às produções do dia a dia, principalmente no verão. A renda preta também é uma forma de usar sem ser muito óbvia. Peças com esse material, mais sóbrias, que remetem ao catolicismo a às vestimentas mais tradicionais da aristocracia espanhola  – que foram subvertidas nas mãos de Stefano e Domenico – podem ser uma boa para o outono/inverno.

Close nos detalhes do desfile de primavera 2015 da Dolce & Gabbana
dolce_gabbana_cabelo_hapers_bazaar2
dolce_gabbana_cabelo_hapers_bazaar

Look com jeans
jeans-dolce-and-gabbana-spring-2015-runway

Renda preta
renda_preta-dolce-and-gabbana-spring-2015-runway-16

 

E para terminar, duas fotos vida real. Veronica, minha amiga linda com seu leque, que inspirou esse post. E eu, de flor no cabelo 🙂

IMG_8379 IMG_7202

Fotos: Style.com, CBS, O Globo, UOL, Garotas Estúpidas, Tati Pilão, Revista Estilo e Vogue America

As drags do RuPaul no centro da moda

Drag já não é mais tendência, é moda. Quatro rainhas saídas do RuPaul’s Drag Race (se não sabe ainda o que é isso, eu contei aqui) estampam camisetas de marcas mainstream descoladíssimas e eu já estou dando um jeito de contrabandear encomendar as minhas.

A primeira leva é da American Apparel, que convocou logo um trio: Willam, Alaska 500 e Courtney Act. Veja o vídeo de divulgação da collab e morra comigo:

A linha tem várias peças no estilo nightclubbing – como leggings, bodys, meias – mas, o que cobicei mesmo foram as camisetas.

alaska-drag-race-american-apparel

COURTNEY ACT_T_MOCK

WILLAM_T_MOCK

O segundo lançamento fashion é do Marc Jacobs, que não perde tempo jamais e fez uma t-shirt com estampa do Milk, participante meio circense da sexta temporada. A peça é de uma linha beneficente, em prol do câncer de pele, que já vendeu milhares de camisetas com a frase “protect the skin you are in” sobre a foto de alguma celebridade nua. Dessa vez a série, que já estampou Mrs. Beckham e Miley Cyrus, tem como estrela a drag queen, acompanhada de uma mensagem mais ousadinha. Toda a renda das vendas será doada para o NYU Skin Cancer Institute. Acho chique.

milk MJ

Ambas marcas vendem online. A American Apparel entrega no Brasil, apesar disso, tentarei descobrir se a linha das queens chega nas lojas daqui também e colocarei um update.

Já a Marc Jabobs, não entrega em terra brasilis, fuen 🙁 Mas, de repente, rola de mandar para a casa de um amigo que mora nos EUA…

*As fotos são de divulgação das marcas