As melhores baladas de Berlim

Acho que a fama da vida noturna na capital alemã é grande. Ou estou enganada? Bom, de toda forma, na minha modesta experiência de vida, foi lá que eu vi as baladas mais inusitadas. E vale ressaltar que são divertidas, afinal, inusitada pode ser estranha e muito louca, mas chata.

Antes da jogação, saiba que: 1. Os estabelecimentos raramente aceitam cartão de crédito, saia com dinheiro; 2. Lá, existe door policy, ou seja, fica um sujeito na porta das baladas dizendo quem pode e quem não pode entrar na casa, usando sabe-se lá quais critérios. Chato, né? Mas, é assim. Tenho dicas para isso? Ouvi das pessoas que moram lá que grupos grandes são barrados, pessoas mal arrumadas, grupos só de homens hetero, adolescentes… tudo meio vago, nada garantido.

Nesse post, vou indicar, dos lugares que conheci, os que mais gostei.

Berghain –  Esse clube está em qualquer lista de melhores da Europa. É tradicional da cena clubber e techno. O lugar é uma antiga fábrica, que por fora parece sem graça, mas por dentro impressiona. A pista tem belos vitrais que contrastam com a arquitetura industrial e pé direito altíssimo. No fim de semana funciona non-stop até a segunda-feira. Isso que é after hours! A door policy é forte. Faça cara de blasé na fila, não mexa no celular, selfie nem pensar, manere na montação, pareça cool e underground. Tipo isso hahaha. Antes de ir, confirme também se a pista principal estará aberta, algumas vezes só parte da casa funciona.
Berlin Berghain-por fora

Berghain por dentro 2

Stattbad –  Ou “a Balada da piscina”. Quem já assistiu ao filme Deixa Ela Entrar, pode imaginar o ambiente da cena final para ter ideia de como é esse centro cultural, cuja programação tem variados artistas, de DJs a grupos de música clássica. O local era uma piscina pública indoor, com vestiários, guarda-volumes, casa de máquinas, onde à noite tudo se transforma em balada, inclusive a dita cuja da piscina – vazia. Creepy, mas legal. Nas noites do fim de semana, a música é eletrônica, como quase tudo em Berlim. Para ir ao Stattbad, também aconselho verificar se a piscina estará aberta. Algumas vezes, só as outras áreas estão liberadas para o público. São legais também, mas né…

Stattbad piscina

Klunkerkranich –  Lugar com um ar hipster, no bom sentido. Fica em cima de um shopping, o que assusta um pouco na chegada, mas é só subir até o estacionamento e sair no terraço, na área propriamente do bar, que tudo é lindo. A decoração hipster-pinterest, com piso de madeira, luzinhas penduradas, plantinhas, mesas coletivas e uma vista ma-ra-vi-lhosa, faz você se sentir imediatamente muito bem. Peça um Moscow Mule, drink da moda, feito de de ginger beer e vodka, que logo mais pega em São Paulo também, e aproveite. A música aqui é bastante eclética, mas sempre alto astral. Pode até rolar um Tim Maia. Nos meses do verão, entre junho e agosto, as filas podem ser grandes, então chegue antes das 19h. A programação noturna vai até altas horas, porém a lotação da casa pode chegar no limite bem cedo. Nos demais meses, chegue a hora que quiser, porém eu dou meu pitaco de que é bacana estar lá para ver o pôr do sol 😉

roof

So36 – Se você, como eu, tem um limite para música eletrônica, esse lugar é o paraíso. O So36 está para os berlinenses assim como o CBGB estava para os nova-iorquinos e a Funhouse está para os paulistanos. Desculpa as comparações toscas. Acontece que esse clube existe desde os anos 70 e era frequentado por Bowie e Iggy e até hoje recebe bandas. Aos sábados, tem uma discotecagem muito divertida, que vai até às 7h! Tem rock, indie e hits pop de todas as décadas. É para ir sem medo de ser feliz.
so36_rauchhaussoli_2

Para decidir onde ir, o site Resident Advisor tem a programação das casas noturnas, de várias cidades do mundo, não só de Berlim.

Os alemães têm hábitos baladeiros parecidos com os nossos: saem para jantar ou beber antes da boate, as casas noturnas não abrem antes de 23h e começam a ferver entre 0h e 2h. Nos lugares onde o eletrônico pega, tem after hours até quando Deus quiser. Uma região boa para o esquenta, é o bairro Kreuzberg, alternativo/hipster/underground, cheio de bares modernos e alguns mais econômicos, muito “movimentado” (fiz a tia agora). Graças à ocupação de imigrantes turcos, também tem ótimos lugares para uma boquinha no pós-balada. Para chegar lá, desça na estação do metrô Görlitzer.

Tenho certeza absoluta de que existem outros lugares incríveis em Berlim. Sei de um, o KitKat Club , onde você tem que ir de roupas íntimas, por exemplo, mas, como não fui, não posso resenhar. Então, repito: esses são os que preferi entre os que conheci. Espero voltar muitas vezes, para ter mais dicas. Se alguém souber de alguma, me conta 😉

*Fotos: www.lesortard.com, 3.bp.blogspot.com, enphoto500x500.mnstatic.com, lefashionisto.com, berlin-enjoy.com, www.theclubmap.com

Posted in Blog, Música, Viagem and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , .

One Comment

  1. Pingback: Berlim, a cidade mais legal da Europa | Ninguém Perguntou

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *